Como saber se o Lucro Presumido é a melhor alternativa para seu comércio?

Como saber se o Lucro Presumido é a melhor alternativa para seu comércio? 

Para abrir uma empresa e conquistar o sucesso, é importante que os empresários conheçam as principais obrigações jurídicas, fiscais e tributárias, que garantem a legalidade da companhia e os direitos dos colaboradores. Até mesmo os empreendedores que contam com o trabalho de especialistas nessas áreas, precisam estar por dentro de alguns fatores importantes para o desenvolvimento do negócio, como o pagamento de impostos.

Durante o processo de abertura de um comércio, é comum surgirem dúvidas sobre qual o melhor enquadramento tributário para o seu negócio. No Brasil, os empresários têm três opções: Lucro Presumido, Lucro Real e Simples Nacional.

Para escolher o melhor enquadramento para o seu comércio, o primeiro passo é conhecer as especificidades de cada um e qual o perfil de empresa que se encaixe melhor nessas opções.  Lucro Presumido, por exemplo, é a maneira mais fácil de se apurar o quanto o comércio deve pagar de Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Com ele, para se calcular o valor devido de impostos, a Receita Federal presume o quanto do faturamento do comércio se tornou lucro para o empresário. Para ser assertiva, essa presunção segue alguns parâmetros pré-definidos pela Receita.

Para elaboração do Imposto de Renda Pessoa Jurídica, é utilizado os seguintes indicadores:

    • 1,6% – Revenda de combustíveis.
    • 8,0% – Regra geral (toda empresa que não está explicitamente nas definições acima e abaixo).
    • 16,0% – Serviço de transporte que não seja de carga.
    • 32,0% – Prestação de serviços em geral, intermediação de negócios e administração, locação ou cessão de
      bens móveis, imóveis ou direitos.

Já a presunção da Contribuição sobre o Lucro Líquido é baseada nas seguintes informações:

    • 12,0% – Regra geral (toda empresa que não está na alíquota de 32%).
    • 32% – Prestação de serviços em geral, intermediação de negócios e administração, locação ou cessão de
      bens móveis, imóveis ou direitos.

Antes de optar pelo Lucro Presumido, o comerciante precisa conhecer algumas especificidades desse enquadramento, como:

Empresas com dupla função

Para as companhias que exploram mais de uma atividade, venda e serviço, por exemplo, é aplicado o percentual relativo a cada faturamento de maneira individual.

Deduções

Outro ponto importante do Lucro Presumido, refere-se a não inclusão dos gastos relacionados às despesas operacionais, pois esses não são dedutíveis na base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Crédito fiscal

Por fim, o Lucro Presumido oferece alíquotas de PIS e COFINS menores que as praticadas no Lucro Real, porém, não se pode abater nenhum crédito fiscal em sua base de cálculo. A vantagem, nesse caso, é que o Fisco dispensa essas companhias de obrigações acessórias, caso elas tenham mantido um livro caixa.

Você acredita que o Lucro Presumido pode ser a melhor alternativa para seu comércio? Para fazer uma escolha segura, é importante contar com o apoio de profissionais especializados nesta área, portanto, consulte a Solutta e esclareça quaisquer dúvidas!

Post by Andre Moraes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0
0
image
https://solutta.com/wp-content/themes/hazel/
https://solutta.com/
#0066a1
style1
paged
Carregando...
/var/www/solutta/
#
on
none
loading
#
Sort Gallery
on
yes
yes
off
off
off