fbpx

Retenções do INSS

jul 03, 2018

auditto@maples

Blog

0

Retenções do INSS

Dificilmente encontraremos alguém que conheça todos os detalhes sobre as retenções previdenciárias, um
assunto extenso, cheio de peculiaridades e que tem, até, exceções às próprias exceções. Por isso, daremos início a uma série de artigos sobre essa prática, apresentando agora as noções gerais do
tema. As questões mais específicas serão tratadas em nossas próximas edições.
Antes de tudo, é preciso esclarecer o que são as retenções do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

De acordo com a empresária e professora de Direito Previdenciário da Faculdade Baiana de Direito e
Gestão, Anna Carla Fracalossi, todas as pessoas físicas que exercem atividade remunerada lícita são
contribuintes obrigatórias da Previdência Social – o tributo também conhecido por “desconto/retenção para
INSS”. A retenção abrange inclusive os servidores públicos titulares de cargos efetivos, vinculados aos
Regimes Próprios de Previdência Social (RPPS), através de retenção em folha por parte do ente público ao
qual estão vinculados nos termos do art. 40 da Constituição Federal.

A contribuição previdenciária tem como objetivo financiar o sistema de Previdência Social pública brasileira.
Apesar de ser chamado de “retenção do INSS”, desde 2007 este tributo deixou de ser, de fato, arrecadado
pelo INSS. Hoje a Receita Federal incorporou as atribuições de arrecadar, fiscalizar e cobrar as
contribuições previdenciárias, além dos outros tributos que já eram de sua competência.

Esta contribuição pode ser pensada de duas formas: como o percentual a ser descontado do salário do
empregado na folha de pagamento, ou como o tributo a ser retido pela empresa contratante sobre as notas
fiscais e pago ao governo por meio de uma Guia da Previdência Social (GPS), com os dados da empresa
contratada.

Fracalossi esclarece que, em relação à folha de pagamento, vale a seguinte regra geral: a
empresa/empregador é obrigada, nos termos da lei, a arrecadar as contribuições dos segurados a seu
serviço, descontando-as da respectiva remuneração, e a recolher os valores retidos juntamente com as
contribuições a seu cargo, incidentes sobre a totalidade das remunerações pagas, devidas ou creditadas, a
qualquer título, aos segurados a seu serviço. O prazo fixado em lei é até o dia 20 do mês seguinte ao da
competência.

Já quando se trata de notas fiscais, o palestrante Ciro Mariano de Oliveira Martins explica que a empresa
contratante de serviços prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada, inclusive em regime de
trabalho temporário, retém o valor correspondente às contribuições previdenciárias na nota fiscal e repassa
ao governo. “Após a retenção, a empresa contratada passa a ter um crédito, que pode ser utilizado para
compensar suas próprias contribuições. Em regra, a base de cálculo da retenção é o valor bruto da nota
fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviço emitido pela empresa contratada”, salienta.

Desoneração

A desoneração na folha também altera o cálculo da retenção do INSS em caso de contratação de empresas
para execução de serviços mediante cessão de mão de obra, que estejam sujeitas à Contribuição
Previdenciária sobre a Receita Bruta. Assim, a empresa contratante deverá reter 3,5% do valor bruto da
nota fiscal ou fatura de prestação de serviços.

Uma das exceções fica com o Microempreendedor Individual, que não sofre retenção previdenciária quando
contratado por pessoa jurídica.

Multas

Quem não retiver a contribuição terá de pagar multa, como ocorre com todos os tributos no Brasil. No caso
das contribuições previdenciárias, segundo Fracalossi, a diferença é que as penalidades são vigentes por
competência.

Na mais recente, a partir da competência dezembro de 2008 (MP nº 449/08), os débitos para com a União
serão acrescidos de multa de mora, calculada à taxa de 0,33% por dia de atraso. A multa será calculada a
partir do primeiro dia subsequente ao do vencimento do prazo previsto para o pagamento do tributo ou
contribuição até o dia em que ocorrer o pagamento. O percentual de multa a ser aplicado fica limitado a
20%.

(Texto: Katherine Coutinho / Revisão: Saulo Novaes)

Post by auditto@maples

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0
0
image
https://solutta.com/wp-content/themes/hazel/
https://solutta.com/
#0066a1
style1
paged
Carregando...
/var/www/solutta/
#
on
none
loading
#
Sort Gallery
on
yes
yes
off
off
off